A cada estação, uma florífera diferente enche o jardim de cor e convida as pessoas a redescobrir a paisagem

Texto Ana Claudia Costa | Projeto Landscape Paisagismo

Quando os paisagistas Suzi Ribeiro e Claudio Pedalino foram chamados para criar este jardim em Itaipava, na serra fluminense, a casa rústica com vista para as montanhas já estava pronta. A missão, portanto, era compor um paisagismo que harmonizasse com o estilo da construção e enchesse de flores os 3.000 m de terreno.

Para dar dinamismo ao projeto, os profissionais apostaram em espécies que florescem em diferentes épocas do ano. Na primavera, as estrelas são os agapantos (Agapanthus africanus) e as moreias (Dietes bicolor). No verão, é a vez das hortênsias (Hydrangea macrophylla) colorirem a paisagem, e assim sucessivamente.

Os caminhos de pedra são-tomé e de grama esmeralda (Zoysia japônica) contornam toda a propriedade e convidam os visitantes a explorar o jardim repleto de surpresas.

CORRES E MOVIMENTOS

Na entrada principal, as flores dos agapantos servem de pano de fundo para a folhagem dos falsos-agaves-gigantes

Para dar dinamismo ao projeto, os profissionais apostaram na criação de canteiros amplos, preenchidos por plantas de formas, texturas e cores contrastantes. Em uma das laterais da casa, os agapantos (1) floridos formam um grande maciço arroxeado que destaca ainda mais a beleza dos esculturais falsos-agaves-gigantes (Furcraea foetida ‘Striata’) (2) cultivados no gramado.

Além de exibir um belíssimo tom avermelhado, o capimdo-texas-rubro balançacom o vento, dando movimento ao jardim

Perto dali, no canteiro junto ao caminho, é a folhagem avermelhada do capim-do-texas-rubro (Pennisetum setaceum ‘Rubrum’) (3) que colore a paisagem. “Escolhemos essa espécie porque ela balança suavemente com o vento, dando dinamismo à composição”, explica Suzi Ribeiro.

Na entrada principal, duas imponentes palmeiras washingtônia-de-saia (Washingtonia filifera) (4) dão as boas-vindas. Elas foram circundadas por aves-do-paraíso (Strelitzia reginae) (5) cujas inflorescências vistosas, que despontam no verão, também podem ser usadas na confecção de arranjos para decorar a casa. No restante do ano, o colorido do espaço fica por conta da primavera (Bougainvillea spectabilis) (6), que sobe pelas colunas da varanda, integrando a casa ao jardim.

Forradas por aves-do-paraíso, as imponentes palmeiras washingtônia-de-saia recepcionam quem chega à residência

ÁREA DE DESCANSO

Em outra lateral da casa, é a trepadeira sapatinho-de-judia (Thunbergia mysorensis) (7) que encobre as colunas de ferro do pergolado, unindo a residência ao jardim. Próximo à estrutura foram criados dois cantinhos aconchegantes, onde as pessoas podem relaxar e apreciar a paisagem.

No primeiro, um grande maciço de moreias (8) envolve duas cadeiras de ferro estrategicamente posicionadas junto a um resedá (Lagerstroemia indica) (9). A árvore enche a paisagem de cor no final da primavera e no verão, época em que despontam suas flores rosadas.

No segundo, redes de algodão presas a toras de eucalipto autoclavado são um convite ao descanso. Elas foram dispostas junto à bordadura de hortênsias (10), que delimita o caminho e integra o jardim às árvores nativas que já estavam no terreno e foram preservadas.

As toras de eucalipto com redes penduradas formam uma agradável área de descanso sob a copa das árvores nativas. As cadeiras de ferro, por sua vez, foram envoltas pelo maciço de moreias