Veja como é fácil reenvasar e até dividir em várias mudas essas orquídeas tipicamente brasileiras

Texto Christiane Fenyö
Fotos Paula Fratin
Produção Aida Lima

Valério Romahn

Quem cultiva orquídeas sabe bem da importância de replantá-las de tempos em tempos, por conta da salinização do substrato. Só que cada grupo de orquídeas tem suas particularidades e um momento mais adequado para a execução do procedimento. No caso das Cattleya walkeriana – plantas nativas daqui do Brasil e que estão entre as mais apreciadas pelos orquidófilos –, o reenvase deve ser feito sempre que um pseudobulbo começar a sair do vaso – o que demora cerca de dois anos para acontecer – ou a planta apresentar sinais de infestação por alguma praga – nesse caso é essencial limpar muito bem a orquídea antes do replantio. Acompanhe no passo a passo as instruções para executar o procedimento.

MATERIAL NECESSÁRIO

 

Vaso de cerâmica raso, próprio para orquídeas
Tesoura esterilizada
Pasta de dente
Canela em pó
Escova de dentes de cerdas duras
Casca de macadâmia
Casca de coco seco
Turfa em pedaços
Arame galvanizado
Alicate

PASSO A PASSO

1. Retire a Cattleya walkeriana do vaso. Se as raízes de algum pseudobulbo estiverem presas a ele, solte-as com o auxílio de uma plaquinha de identificação ou de algum material fino e maleável

2. Com a planta já fora do vaso, observe atentamente suas raízes e corte as que estiverem secas. Remova também os remanescentes das hastes florais secas

3. Aproveite a oportunidade para dividir a orquídea. Basta localizar os novos pseudobulbos e cortar o rizoma da planta deixando pelo menos um novo pseudobulbo em cada “muda”

4. Misture um pouco de pasta de dente ou vaselina com canela e aplique nos cortes, para ajudar na cicatrização

5. Se a orquídea tiver sinais de ataques por pragas (cochonilhas, por exemplo), limpe-a bem com uma escova de dentes seca

6. Escolha um vaso de cerâmica três dedos maior que o torrão da orquídea e acomode-a em um dos cantos, com o novo pseudobulbo voltado para a parte vazia do recipiente

7. Preencha o vaso com uma mistura de partes iguais de casca de macadâmia (1), casca de coco seco (2)  e turfa em pedaços (3)

8. Como o substrato é muito leve, é importante fixar a planta no vaso, para evitar que ela tombe com o vento. Com o auxílio de um alicate, molde um pedaço de arame galvanizado para formar um gancho igual ao retratado acima (ele deve ser mais curto que o diâmetro do vaso)

 

9. Encaixe a ponta mais comprida do gancho entre os pseudobulbos, para fixá-los – é preciso pressionar o arame para baixo –, e prenda a ponta em forma de U na borda do vaso

 

Consultoria: Claudio Cunha (Casa do Orquidófilo), www.casadoorquidofilo.com.br